Reportagem

Naplanta thumbnail 100x100

Como realizar investimentos para reformar a sua casa

Todo mundo sabe que melhorar um cômodo ou as instalações de uma residência pode ser algo vantajoso e até necessário.

Porém, sem uma base de investimentos para reformar também pode se tornar algo dispendioso e estressante.

Às vezes, basta melhorar a fachada, noutros casos, é preciso fazer reparos estruturais na instalação elétrica ou hidráulica. Ou ainda, pode ser o caso de fazer um quartinho nos fundos, o que já pede alterações na própria planta da casa.

Também há casos em que a reforma ou as melhorias visam apenas a aumentar o valor agregado do imóvel, para venda ou troca. Dependendo dos casos, é possível aumentar entre 15% e 30% no valor final, graças a modificações.

Hoje em dia, além do bem-estar e do conforto que uma casa é capaz de proporcionar a todos os moradores, é preciso pensar na segurança que ela proporciona, bem como na modernização de todas as funções disponíveis.

Vivemos a época da automação residencial, em que lâmpadas, portões, portas, cortinas e até aspiradores funcionam apenas por comando de voz. Tudo isso pode demandar investimentos que ajudem na hora de bancar o custo das reformas.

Por isso decidimos escrever este artigo, dando dicas práticas sobre como tornar a reforma da sua casa algo agradável e sustentável, sem grandes dores de cabeça e, sobretudo, sem grandes imprevistos.

Para compreender melhor como isso é possível, bem como todos os detalhes envolvidos em uma reforma, basta seguir adiante na leitura.

Qual a importância do planejamento?

Tudo começa com um planejamento, não é mesmo? A reforma de uma residência não é diferente, por isso, é preciso ter um bom projeto definido previamente, englobando desde os custos que é possível prever, até os serviços que serão incluídos.

Claro, na prática é possível que haja ajustes e reajustes, tanto por imprevistos que surjam, quanto por mudanças de gosto e de ideia mesmo. Não há problema nenhum nisso, mas o fato é que, ainda assim, o planejamento dá um norte mais seguro.

Aliás, ao consultar uma empresa de reforma e construção, a primeira coisa que eles vão pedir vai ser, sem dúvida, um esboço do planejamento daquilo que deverá ser feito. Caso você não faça, eles podem até cobrar para fazerem um desses.

Então, é preciso se preparar e já ir adiantando essa etapa essencial da reforma.

As vantagens de dividir em etapas

Um dos pontos mais importantes sobre o planejamento é que ele permite definir as etapas da reforma, até porque a questão do investimento pode não ser um mero detalhe. Inclusive, racionalizando o processo, é possível fazer algo em etapas.

Por exemplo, se você acredita que a última etapa deve ser a de pintura de fachadas, nem por isso precisa deixar de fazer o restante, como na parte interior. Ainda que não tenha o dinheiro todo desde já, certo?

Com a divisão em etapas é possível até mesmo mudar a equipe que vai fazer uma e outra alteração. A primeira pode pintar toda a parte interior da casa, das paredes até os gradis das janelas, e depois, outra equipe ser contratada para a fachada.

Em alguns casos fechar toda a reforma com a mesma equipe pode gerar economias, é verdade. Porém, segmentar cada tipo de alteração também pode gerar economias, como no caso de contratar uma equipe especializada em cada reparo.

Tudo isso deixa claro como o projeto e a reforma por etapas pode ser algo mais vantajoso do que simplesmente esperar ter o dinheiro todo para reformar a casa inteira.

Tudo sobre o teto de gastos

É preciso salientar um ponto essencial: fazer a reforma por etapas não quer dizer, absolutamente, que os gastos podem acabar se multiplicando indefinidamente.

Na verdade, o planejamento deve abrir uma brecha para alterações do decorrer do processo, como já vimos, mas é preciso estipular um teto de gastos desde o início.

O ideal é calcular um valor a mais para compras de última hora e imprevistos, pois assim não haverá grandes desvios. Para quem não entende, trata-se de sentar com a empresa responsável e deixar claro qual é o teto mencionado.

Assim, se você vai reformar a garagem toda, e já sabe o preço de tudo, desde o cimento até o portão de garagem, a empresa vai assinar um contrato com você garantindo que a reforma cumpra com seus prazos e investimentos.

Isso deixa a relação mais fácil para ambas as partes, profissionalizando e racionalizando muito mais o processo.

Vale a pena fazer empréstimos?

Falando em valores, é aí que a questão de realizar investimentos para a reforma faz mais sentido. O ideal é nunca iniciar uma linha de crédito sem planejamento (apenas porque as modificações superaram o previsto), mas ela pode ter várias vantagens.

A linha de crédito pode aparecer como uma vantagem desde o início, já que ela realmente é um recurso totalmente válido e que pode viabilizar algo que de outro modo não seria possível.

Ademais, nem sempre o financiamento ou parcelamento sairia melhor pelo cartão de crédito, daí indicamos as linhas de crédito, que são empréstimos que você pode negociar com o gerente de contas do seu banco.

Existe todo um processo implicado, a depender do valor, que pode envolver até a avaliação de imóvel residencial, no sentido de o banco confirmar a credulidade da reforma e da intenção de empréstimo.

Por isso, consulte o gerente e ele poderá tirar todas as dúvidas, encaminhando o processo da melhor maneira possível. Como dito, às vezes esse era o empurrão que faltava para a realização de um sonho.

Como fazer reformas menores

Caso a sua reforma seja algo menor, talvez seja possível você mesmo contratar o prestador ou os prestadores de serviço, em vez de uma empresa.

Neste caso, é preciso reforçar na comunicação, e deixar claro quais são as intenções de toda a reforma, desde valores até prazos de entrega. Uma dica bacana é pedir a comprovação de todos os orçamentos de matéria-prima.

Às vezes, comprar de uma loja diferente da que o prestador gostaria pode significar uma economia considerável no fim das contas. Imagine, por exemplo, a variação de valores que pode haver em algo como concreto usinado leve.

Pode ocorrer de uma loja ter um estoque antigo, com valor maior, e outra ter um estoque mais novo, com valores bem menores. Sem falar nas formas de pagamento, que muitas vezes incluem financiamento sem juros, o que já ajuda muito.

O que é esse tal de “Do it yourself”?

Considere também, dependendo do caso, o famoso faça-você-mesmo, que é muito comum nos Estados Unidos, onde usam a expressão “Do it yourself”.

Claro, se você não tem nenhum conhecimento na área, não pode assumir um projeto de instalações elétricas, já que isso colocaria em risco as instalações e até a segurança de quem mora na casa. 

Mas há várias frentes de reforma que alguém pode fazer por conta.

Quando a reforma é investimento

Se alguém está tentando vender uma casa há um bom tempo, e as visitas não trazem nenhum resultado ou todo mundo que vai insiste muito na diminuição do valor, talvez seja a hora de investir numa reforma.

No caso de apartamentos, por exemplo, um simples fechamento de sacadas já pode mudar totalmente o cenário. Após envidraçar o local e instalar uma varanda gourmet, o interesse pode crescer bastante.

Tradicionalmente, as reformas que mais podem atrair o olhar de futuros compradores são as seguintes:

  • A troca de pisos e azulejos;

  • Instalação de ar condicionado;

  • Boas reformas na fachada;

  • Reparo nas instalações elétricas/hidráulicas;

  • Instalação de telhas termoacústicas;

  • Melhorias na cozinha e nos banheiros;

  • Pintura completa interna e externa;

  • Entre tantas outras similares.

O mínimo que o proprietário vai conseguir é o retorno do investimento, que virá com a venda do imóvel. Se o planejamento for bem feito, é possível até mesmo lucrar um pouco em cima da reforma, além de pagar os custos dela por financiamento.

Às vezes esse tipo de alteração também pode ser do tipo “Do it yourself”, como vimos acima. Alguns exemplos incluem a eliminação de mofos com aplicação de produtos impermeabilizantes.

Alterações nas paredes, que não incluem medidas estruturais, também. Então, que tal aplicar texturas ou mesmo massas corridas para lidar com furos de pregos antigos? Neste caso, utilizar uma tinta lavável traz uma valorização ainda maior.

Com isto fica claro que é possível tornar a reforma da casa algo perfeitamente tranquilo e previsível, que traga apenas vantagens. Inclusive por meio de investimentos e de linhas de crédito.


Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.