Reportagem

Naplanta thumbnail 100x100

Como definir a tubulação hidráulica de sua casa?

Muitas pessoas não sabem como definir direito a tubulação hidráulica de suas casas, de modo que forneça corretamente o abastecimento, distribuição e escoamento de água.

Normalmente, o trabalho é feito por meio de um projeto hidráulico arquitetônico. 


Existe a opção de cada pessoa fazer o próprio projeto hidráulico, mas é preciso saber que qualquer trabalho hidráulico é demasiadamente complexo e muitas dúvidas e mudanças costumam ocorrer, tanto na montagem do projeto quanto na obra.


No artigo de hoje, explicaremos de forma inicial como você deverá escolher a tubulação hidráulica da sua casa, entendendo alguns dos principais tipos de tubulação utilizadas, pois desse modo você saberá comprar todo o equipamento e ter a noção de instalação.


Por fim, ainda daremos algumas dicas de como realizar a instalação, seja em concreto leve ou não. Ressaltamos de imediato que você deve considerar ao menos o auxílio de algum profissional relacionado com a área, para evitar qualquer problema.


Contudo, esse é um tema que toma grande parte das discussões e dúvidas de muitas pessoas que não sabem direito como obter esse tipo de conhecimento. Pois bem, montamos esse artigo pensando exatamente em você.

Os diferentes tipos de instalações hidráulicas

Um projeto arquitetônico deve enquadrar os mais diferentes tipos de situações e considerar a utilização daquele que melhor comporta as necessidades do ambiente, no caso um apartamento, loja ou residência.


Esses projetos tendem a mostrar de forma visual os diversos pontos existentes dentro daquele local, que foram instalados pelos engenheiros que construíram todo o espaço em questão. 


Nesse momento são definidos os pontos de onde vão passar as tubulações, seja de posicionamento ou suporte da caixa d'água. Para isso é preciso se ater a alguns pontos importantes dentro do aspecto das mangueiras e conexões hidraulicas.


Pense que existem pontos onde a tubulação será instalada, por exemplo:


  • Água fria; 

  • Água quente; 

  • Rede de esgoto;

  • Águas pluviais;


Falaremos um pouco especificamente de cada uma dessas instalações e em seguida os tipos de canos que costumam ser utilizados para cada uma dessas situações. Além da importância da boa manutenção deles. Confira:

Instalações de água quente 

É importante saber que pessoas costumam utilizar água quente para chuveiros e possíveis pias de seus apartamentos e residências. É comum que o aquecimento da água seja feito por aquecedores, sejam eles a gás ou elétricos. 


Atualmente existe projeto as built que contempla a utilização de aquecedores que são alimentados por placas solares, devido à necessidade contínua de se investir na sustentabilidade. 


Essa é uma tendência que vem ganhando espaço, principalmente em países onde há muito calor em grande parte do ano. Após a instalação, a tendência também é uma redução nos gastos com energia que consequentemente influenciam no valor da conta ao final do mês.

Instalações de água fria

Essas são as mais utilizadas na maioria dos projetos, pois abastecem grande parte dos pontos de uso de água de uma determinada edificação. Normalmente são compostas por um conjunto de tubulações específicas.


Esse conjunto contempla toda a estrutura hidráulica que é composta por reservatórios, equipamentos e dispositivos de acesso. Toda a rede hidráulica é composta necessariamente por um Barrilete, colunas de distribuição, ramais e sub-ramais.


É comum uma administradora predial estar constantemente se atualizando sobre as diversas esferas que envolvem a manutenção de cada um desses componentes, para não prejudicar nenhum morador.


O Barrilete é o conjunto de tubulações, sua função é alimentar toda a estrutura. As colunas de distribuição agregam ao barrilete e têm como função fazer a água fluir para os ramais.


Os ramais recebem a água das colunas e distribuem para os sub-ramais, que são as tubulações que alimentam as redes de utilização. 

Entendendo a rede de esgoto 

A rede de esgoto é um pouco mais complexa e exige um cuidado ainda maior. A condução precisa obrigatoriamente funcionar de forma perfeita para não gerar constrangimento aos moradores.


Existe uma parte do projeto que pode ser representada como sistema hidráulico sanitário, lá são gerados todos os efluentes que precisam ser destinados ao esgoto da cidade. Nesse momento é de responsabilidade da cidade fazer tratamento adequado. 


Ocorre que antes de enviar para a via pública, é preciso que todo o material seja enviado para o que chamamos de caixa de gordura, desse modo é possível entupimentos tanto no sistema residência quanto no sistema da cidade.


Importante ressaltar que não estamos falando da fossa, pois nesse caso não há qualquer tipo de instalação hidráulica, mas o descarte de desejos e sua degradação seja natural ou feita manualmente. Pode ser feita ou não por um tubo schedule 40.


Ambientes projetados precisam de todo um sistema organizado para cuidar dos dejetos dos sanitários e das pias. A caixa de gordura deve ser instalada no solo de cada ambiente, e sua manutenção deve ser feita a cada 180 dias.


Ambientes bem montados também são compostos pelo o que chamamos de caixas de inspeção, que em caso de dúvida podem ser abertas para verificação de algum tipo de problema. 

A necessidade das redes pluviais 

O Brasil é um país onde não há calefação, mas existe o que chamamos de rede pluvial, que visa a captação da água da chuva acumulada nas telhas, por exemplo.


Essa água não pode ser consumida, mas pode ser armazenada para utilização de descarga, lavagem de quintais, regagem de jardins e até, dependendo da filtragem, lavagem de roupas. 

Os diferentes tubos da instalação hidráulica 

Para que a valvula reguladora que você está tentando instalar seja funcional, é preciso que você faça uso dos diferentes tubos e canos de forma correta. Para isso vejamos os diferentes tipos que podem ser utilizados na sua casa.


Os primeiros são os tubos de cobre, que foram utilizados durante um longo tempo, mas que, agora, já estão sendo substituídos por outros produtos e novas tecnologias de tubulação.


Existe também o CPVC, que é um tubo parecido com o PVC, só que resiste a um temperatura de até 93,3ªC, já que a temperatura de evaporação da água é de 100ºC não há necessidade um material mais resistente que isso. 


Os tubos de PVC marrom podem ou não estar embutidos e que conduzem a água em residências e indústrias. Inclusive, em geral, são feitos dessa cor, pois costumam ser enterrados. 


O tubo de PPR (Polipropileno Copolímero Random), é um material de última geração, que é capaz de conduzir tanto a água fria quanto a quente. É um dos materiais mais modernos de cor verde e que está substituindo os tubos de cobre.


Já os tubos de aço são utilizados mais para condução de gases, apesar de poderem exercer outras funções dentro da construção civil. 

Planejando a tubulação da sua casa

Agora que já compreendemos os principais componentes dentro de uma tubulação hidráulica, vejamos algumas das melhores dicas de como fazer uma definição ideal para a sua casa. 

Faça o mapeamento hidráulico

A primeira dica é fazer todo o mapeamento hidráulico da sua casa. Será bem difícil fazer qualquer que seja o planejamento se você ou a pessoa contratada não souber todos os canais que alimentam as tubulações da sua casa.


Acredite que fazer o mapeamento pode evitar uma dor de cabeça sem precedentes, além de ajudar também no bolso de quem for custear toda a obra. Após a realização de todo o mapeamento, o profissional responsável saberá ao certo o que deverá ser feito.


Lembrando que você não verá a tubulação, portanto, é preciso sempre focar em critérios técnicos e de segurança pessoal, ao invés de se preocupar com beleza e estética. 

Escolhendo as melhores torneiras

A compra de louças e metais é sempre uma das partes mais gostosas de alguém que está construindo ou reformando a casa, mas se as melhores escolhas não forem feitas, isso pode gerar um problemão no futuro.


A ideia é que você escolha para ambientes de uso maior, como as suítes, torneiras fáceis de serem substituídas, e deixe aquela torneira super bonita e importada apenas para o lavabo, pois ele será utilizado pelas visitas, assim como as bacias sanitárias. 


Pense que dependendo da torneira, não há peças disponíveis à venda separadas, o que é diferente no caso de torneiras comuns. Isso não significa que você deva comprar um produto de baixa qualidade, mas apenas aqueles que existam peças de recomposição.


Se estamos falando de um comércio, você até pode deixar uma torneira bonita exposta para os clientes, mas deixe uma mais simples dentro dos sanitários para induzir a utilização dela de forma indireta.


Não estamos falando de uma bomba de água submersa, mas de algo que será visto por todos, por isso essa estratégia pode ser relevante para a sua realidade. 

Fique atento a pontos importantes

Se você tem a opção, opte por construir a cozinha perto da área de serviço de modo que você tenha mais acessos a torneiras, assim você utiliza menos canos e menos conexões.


Limpe periodicamente os ralos internos e jamais jogue objetos estranhos que possam danificar ou entupir a estrutura. Fique de olho nas crianças! Outra forma de economizar água é utilizar bacias com caixas acopladas.


Não esqueça de testar todas as instalações antes de fechar com concreto, pois depois que o cimento secar, você terá um trabalhão para resolver o problema de novo. Por fim, escolha sempre o mesmo fabricante de todas as peças, para não dar diferença nas medidas. 


Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.